O AVIÁRIO POLÍTICO

Wednesday, January 23, 2008

SAÚDE

Muito se tem falado últimamente sobre o estado da saúde em Portugal. E não será demais vir a lume outra vez um tema que parece não ter fim senão mesmo pouca solução pelo caminho que leva. Todos sabemos que este Governo só tem feito asneira atrás de asneira, até o pouco que se conseguiu após o 25 de Abril está a escorregar como areia em nossas mãos. Isto, para lembrar, relacionado com o fecho de urgências em hospitais distritais como também o fecho de Centros de Saúde e sem esquecer a lista de espera para cirurgias sejam elas de que especialidade for. É uma VERGONHA.
Ainda há pouco estava a ver na televisão que no Seixal, as pessoas tinham de ir para a fila às 4h00 da manhã para conseguirem uma consulta para o seu médico de família. Escusado será dizer que o Centro de Saúde que existia mais próximo foi fechado, por isso a afluência tão grande neste Centro. E escusado será também dizer que para estas filas vão muitos idosos, alguns até de bengala para conseguir a sua consulta. Este é um caso entre muitos.
Lembro-me quando ainda era adolescente já se falava nas urgências do Hospital de São José que rebentava pelas costuras. Quando vim morar para a Amadora e construiram um hospital para esta cidade encostada a Lisboa, fiquei super contente. Até porque escusava de ir para fora da cidade, só que neste momento o nosso hospital abrange uma zona muito mais vasta do que o Hospital de São José. Aliás, acho que é considerado o hospital que maior área abrange.
E isto é só uma gota de água no oceano, porque por esse país fora é o que não falta são casos semelhantes.
Há também, agora, a mania de terem nos hospitais uma administração privada sendo o hospital público. Ainda não cheguei a nenhuma conclusão, mas me parece que este tipo de administração pode favorecer o hospital, mas não os utentes. Eu ainda não entendi como funciona, até porque o atendimento continua o mesmo ou mesmo pior. Também se pode chamar aqui a atenção para a falta de médicos. Será? Ou será que não interessa pôrem mais médicos porque o hospital deve ter um orçamento e não se pode ultrapassá-lo?
E ainda para reforçar a coisa, começam a aparecer hospitais privados. Hospitais estes que só atendem quem tem dinheiro, porque o pobre não chega lá. Claro que o atendimento é rápido e caro, mas funciona. Eu posso confirmar. A minha filha mais nova começou a queixar-se que lhe doía um ouvido, ora com 20 anos não é muito comum doer os ouvidos e ela já estava assim há quase uma semana e apesar do cartão do seguro já ter caducado fui na mesma experimentar lá ir com ela. Meus caros amigos cheguei lá às 14h45 e às 15h45 já estava cá fora. Atendimento VIP, o médico foi atencioso e disse logo o que ela tinha: otite. E perguntam vocês, quanto pagou? Como particular paguei a módica quantia de 90 euros. Tomá lá que já comeste. E pergunto eu, quem lá pode ir? Só os ricos, no qual não me incluo, mas primeiro está a filha, não é?
Pobre, neste momento, não tem direito a nada, qualquer dia até tem de pedir licença para existir. São sempre os primeiros a pagar seja o que for.
Em que país estamos a viver? E para onde vamos? É o que me pergunto todos os dias. Será que me podem dizer?

1 Comments:

  • At 6:53 AM, Blogger smpc83 said…

    Pois é Ana quem fala assim não é gago como se costuma dizer, estamos num País que só se safa quem tem dinheiro quem não tem se que se lixe!
    Mas espero que a tua filha já esteja melhor, ou então melhoras rapidas.
    Gostei deste teu desabafo, continua assim sempre amiga.
    muitos beijinhos

     

Post a Comment

<< Home